|
Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.
Filmes
Filtrar por

A dimensão social das manifestações artísticas


Plano de Aula do Filme Enquanto a Tristeza não Vem | Documentário | De Marco Fialho | 2003 | 20 min | RJ


Considerando a Arte como uma disciplina tão importante quanto outras áreas do conhecimento, podemos pensar além da produção artística e articular propostas pedagógicas que promovam a reflexão sobre as diferentes formas da expressão artística e cultural bem como o papel que têm desempenhado na história do nosso país e no mundo.
O filme relaciona o contexto histórico com a manifestação artística do povo brasileiro, tendo como contrapontos uma responsabilidade política revolucionária que tomava as mentes dos estudantes brasileiros no início da década de 60 e os efeitos da censura sobre a cultura e o saber popular, após a ditadura militar.
A cultura massificada que consumimos através da mídia muito pouco têm a nos oferecer em se tratando de arte e cada vez mais as produções artísticas acessíveis ao povo se baseiam na padronização e lógica do mercado. Como é citado no filme, "é ridículo que o que nós temos como cultura hoje no país seja isso que as televisões estão mostrando."
É uma das funções do ensino de Artes mostrar a dimensão social das manifestações artísticas, o modo particular com que cada cultura percebe, sente e articula seus significados e valores.
Enquanto educadores é preciso proporcionar que os alunos tenham acesso a produções de qualidade, que ampliem seu olhar para o novo e que sejam estimulados a refletir sobre o papel que podem desempenhar na sociedade, compreendendo,
expressando e respeitando sua produção, assim como as demais, adotando um posicionamento crítico frente a estas produções.




Objetivos
 Refletir sobre a influência das diferentes manifestações artísticas nos movimentos sociais e políticos em nosso País e a influência do contexto político nas Artes.
 Analisar movimentos artísticos e sociais brasileiros da última metade do Século XX.
 Utilizar a linguagem artística para denunciar, expressar e comunicar a realidade, a necessidade de transformação social.

Situação Didática
 Reunir os alunos em pequenos grupos para que listem os movimentos artísticos brasileiros de seu conhecimento e que têm envolvimento político ou social atualmente.
 Organizar um quadro com o levantamento dos alunos divididos nas diferentes formas de expressão: Artes Visuais (Pintura, Desenho, Escultura), Música, Teatro, Dança, Cinema.
 Identificar no quadro as áreas das quais o grupo não tem muito conhecimento.

 Apreciação do filme com roteiro de observação:
 Qual o tema central do filme?
 Como a Arte aparece no filme?
 Qual momento histórico é apresentado?

 Nutrição estética: Apreciação de obras de Arte contextualizando o movimento em que está inserida e o momento histórico de sua produção.
 Sugestão de obras: Pinturas Rupestres (Serra do Capivari - Piauí), Esculturas e Arquitetura Gregas, Madona e Santos (Duccio de Buoninsegna), A Santa Ceia (Leonardo da Vinci), Caipira Picando Fumo (Almeida Júnior), O Grito do Ipiranga (Pedro Américo), Os Comedores de Batatas (Van Gogh), Mulheres de Taiti na Praia (Gauguin), Guernica (Picasso), Os Retirantes (Portinari), Frutas da Terra (Frida Kahlo), Urinol (Marcel Duchamp), Camuflagem (Andy Warhol), Imagens do Êxodo (Sebastião Salgado).

 Em discussão resgatar o roteiro de observação do filme e relacionar com as obras de Arte apresentadas. Garantir nesta discussão que os alunos percebam que o homem se expressa artisticamente de acordo com suas necessidades e anseios, sendo assim influenciada pelo momento histórico e social em que vive.
 Dividir em sete subgrupos. Cada grupo fica com uma área de expressão artística e o compromisso de pesquisar e ampliar o conhecimento sobre os movimentos existentes atualmente e sobre a forma como estes têm se posicionado frente às questões políticas ou sociais. O grupo poderá pesquisar na Internet, jornais, revistas, etc.
 Compartilhar as pesquisas realizadas com o grupo.
 Assistir novamente o trecho do documentário (9:10 a 11:30 minutos) em qual o compositor Sérgio Ricardo expõe sobre o início da censura e as estratégias que os artistas dispunham para produzir e expôr suas idéias. E também o trecho (18:00 a 18:30 minutos) onde finaliza com uma mensagem de esperança.
 Roda de conversa: Os movimentos atuais estão cumprindo um papel de protesto e transformação em nossa sociedade? Ainda vale a pena lutar por seus ideais?
 Organizar uma caminhada pelo bairro afim de identificar formas e locais em que o grupo possa expressar e compartilhar os conhecimentos adquiridos com a comunidade local.
 Produzir, dentro de uma forma de expressão escolhida pelo grupo, uma intervenção urbana que comunique o conhecimento adquirido ou expresse o sentimento do grupo frente as questões vivenciadas.
 Exemplos: grafitte - painel coletivo performance teatral para apresentação itinerante no bairro escultura coletiva para ficar exposta em ponto estratégico do bairro composição musical ou paródia criação de fanzine com distribuição gratuita, entre outras possibilidades.

Comentários
Avaliação:

Considerar no desenvolvimento da atividade:
 Envolvimento na proposta coletiva e identificação com o tema proposto.
 Posicionamento crítico e coerente frente às discussões realizadas nos pequenos grupos.

Para saber mais:

 Sites:
 Google: site de busca de imagens. Disponível em: http://images.google.com.br/imghp?ie=UTF-8&oe=UTF-8&hl=pt-BR&tab=wi&q=
 Sebastião Salgado: site do fotógrafo com banco de imagens. Disponível em: http://www.terra.com.br/sebastiaosalgado/
 Wikipédia: Enciclopédia virtual livre, contém biografia dos artistas citados. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/

Pedagogo Autor do Plano de Aula
Sathler & Sanchez


Formação: Luciano Sathler é Doutorando em Administração (FEA/USP);Mestre em Administração (UMESP); Especialista em Gestão Universitária pela Organização Universitária Interamericana e graduado em Publicidade e Propaganda (PUC-MG). Elisana Costa Sanchez é graduada em Artes Plásticas pelas Faculdades Integradas Teresa D´Ávila e em Pedagogia pela Universidade do Grande ABC (SP).
Atividades Profissionais: Luciano Sathler é Editor Executivo da Revista de Educação do Cogeime; Coordenador dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu, Cursos de Extensão, Universidade Livre da Terceira Idade, Centro de Línguas e o Núcleo de Tecnologias Aplicadas à Educação da UMESP e Editor Executivo das Publicações Científicas, com ênfase nos aspectos de Produção Editorial e distribuição na UMESP. Elisana Costa Sanchez é Professora da Educação Básica e atua na Formação Continuada de Educadores em Rede Municipal de Ensino.
Publicações: no último ano: SATHLER, L. . Como lidar com as Novas Tecnologias da Informação?. Mundo Jovem - Um jornal de idéias, Porto Alegre, p. 18 - 18, 01 set. 2006. SATHLER, L. . Inclusão Digital. Revista Novo Olhar, São Leopoldo, p. 4 - 4, 01 jun. 2006.
Nível: Ensino Superior
Instituição: UMESP / PMSBC | | SP