|
Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.
Filmes
Filtrar por

As mães e o amor infinito


Plano de Aula do Filme Ensaio | Ficção | De Marcio Salem | 2006 | 20 min | SP


Uma flor, expressão singela, doce, suave e plena da beleza, do carinho e do amor. Uma mãe, terna criatura, que devota toda a sua força e amor por seus filhos, sua família. Associar as flores às mulheres em geral e, às mães em particular, tem sido o caminho seguro pelo qual trafegam os poetas, os músicos e todos aqueles cuja sensibilidade está à flor da pele. Declaração de amor maior, ao oferecer uma rosa, um lírio ou margaridas a nossas mães, queremos com isso presentear-lhes com aquilo que estas e outras variedades de flores nos brindam todos os dias, com a beleza suprema, a suavidade, a fragrância, a inocência... E o mais gratificante em perceber como as flores são realmente expressão daquilo que as mulheres e as mães representam, basta lembrar que são elas as responsáveis pela vida e que fazem tudo isso sem se preocupar com a resposta que terão por este ato supremo de doação, de desprendimento, de dedicação.




Objetivos
Ensaio, curta de Márcio Salem, estrelado pela talentosa e carismática Andréa Beltrão, nos fala ao coração por trazer em sua trama o amor incondicional das mães e a imensurável beleza das flores. Bruno, protagonista mirim do filme, é um menino calado, tímido, de cabeça baixa. Ele chega a uma nova escola e é bem recebido pela professora e por algumas colegas. Mas os meninos o provocam, tratam-no com desrespeito por ser tão silencioso e recatado.

Situação Didática
Na escola, as primeiras aulas de Bruno são sobre plantas e flores. A mãe de Bruno ensinou a ele o quanto as flores e as plantas em geral podem nos ajudar quando lidamos com elas em nossos jardins: significam paciência, perseverança, renovação e declaram todos os dias amor à vida. As flores expressam, como ensina a professora em sala de aula, a renovação da existência, pois constituem o órgão reprodutor das plantas. E em seu silêncio, nos presenteiam com suas cores, iluminadas pelos raios solares, e ainda por seu odor perfumado. Bruno já sabe disso, mas não consegue traduzir em palavras a afeição que tem pelas flores, aprendida com a mãe, por quem nutre o mais sincero e genuíno amor. Quando se depara com a tarefa proposta pela professora, de escolher uma flor e criar algumas linhas em que faça o paralelo entre a espécie escolhida e sua querida mãe, ele se vê de súbito ainda mais encolhido, quase como querendo desaparecer...

Comentários
Ensaio é lírico, diamante bruto que, nos poucos minutos em que se apresenta aos nossos olhos, nos comove e enternece. Parece com um campo florido onde corremos livres, a sorver toda a beleza ao redor, sentindo o frescor da natureza. Parece também com abraço de mãe, que envolve e protege, nos colocando na maior zona de conforto que existe e fazendo com que qualquer medo ou insegurança desapareça. Que possamos viver mais e mais vezes a experiência de um afago como esse. Que nossos dias sejam sempre abençoados com muitas flores. Que sejamos capazes de dizer, em todas as oportunidades que tivermos o quanto amamos nossas mães. Na próxima vez em que estiver com ela, lhe dê um abraço forte, um beijo caloroso e tenha também uma rosa nas mãos... Por João Luís de Almeida Machado, que admira profundamente a beleza das flores e o amor sem igual das mães pelos seus filhos. Especialmente dedicando estas palavras a todas as mães, e em particular, a minha e a de meus filhos.

Pedagogo Autor do Plano de Aula
João Luíz de Almeida Machado