|
Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.
Filmes
Filtrar por

A construção de favelas e o planejamento urbano


Plano de Aula do Filme O Pequeno e o Grande | Documentário | De Fábio Gavião, João Jardim, Markão Oliveira | 2008 | 12 min | RJ


De acordo com o Censo de 2010, cerca de 11 milhões de pessoas vivem em favelas em todo o Brasil, segundo as Nações Unidas o termo favela é usado para designar áreas que abrigam habitações precárias desprovidas de regularização e serviços públicos. Por meio do curta O Pequeno e o Grande, que conta a história do Morrinho, uma maquete feita de pedaços de tijolos dentro da favela do Pereirão no Rio de Janeiro, podemos observar e discutir diversas características desse tipo de moradia.





Objetivos
- Refletir sobre o processo de formação das favelas

- Discutir sobre urbanização.

- Refletir sobre desigualdade social

- Conhecer o modo de vida dos moradores das favelas.


Situação Didática
1° momento:

Coloque o curta para que os alunos assistam, em seguida solicite que cada aluno reflita e responda as perguntas a seguir.

- O que mais chamou a atenção no filme? Por quê?

- Quais foram as partes mais marcantes para você?

- Quais características de favela e das pessoas que moram nela você conseguiu identificar durante a exibição do filme?

2° momento:

Divida os alunos em grupos e peça para que eles pesquisem:

- Como se deu o processo de favelização das grandes cidades brasileiras

- Quais são as condições de infraestrutura presentes

- Qual o modo de vida dos moradores das favelas

- Quais os processos históricos que favoreceram o surgimento das favelas.

3º momento:

Apresente a música Favela do Exaltasamba

Pras favelas de tudo quanto é canto do Brasil

Política na noite, misteriosa na calada

Sorri durante o dia e chora a madrugada

Seu coração que nem mulher apaixonada

Acolhe sem olhar a quem é quem na caminhada

Missão irmão um tanto quanto ingrata

Abençoa quanto nasce, sofre quanto alguém vem e mata

A serenata é pra você com nome de mulher

Dama da noite que cheira rosa e mostra a fé

Axé minha guerreira iluminada

Eu vejo seu olhar brilhar na lua prateada

Amor e ódio e muita vida sem culpa de nada



Favela ô

Favela que me viu nascer

Eu abro meu peito e canto amor por você

Amor e ódio e muita vida sem culpa de nada



Favela ô (e o respeito por ela)

Favela que me viu nascer

Só quem te conhece por dentro pode te entender

(e o respeito por ela)

Favela ô

Favela que me viu nascer

Eu abro meu peito e canto amor por você

(é o estilo favela)

Favela ô

Favela que me viu nascer

Só quem te conhece por dentro pode te entender

(vamô acordar, vamô acordar)

O povo que sobe a ladeira ajuda a fazer mutirão

Divide a sobra da feira e reparte o pão, reparte o pão

Como é que essa gente tão boa, é vista como marginal

Eu acho que sociedade está enxergando mal

Minha favela

Favela ô

Favela que me viu nascer

Eu abro meu peito e canto amor por você

(faz parte dela)

Favela ô

Favela que me viu nascer

Só quem te conhece por dentro pode te entender

(é bela mas é fera)

Entendo esse mundo complexo

Favela é minha raiz

Sem rumo, sem tino, sem nexo e ainda feliz

Nem sempre a maldade humana está em quem porta um fuzil

Tem gente de terno e gravata matando o Brasil

Minha favela

Favela ô

Favela que me viu nascer

Eu abro meu peito e canto amor por você

(vamô acorda!)

Favela ô

Favela que me viu nascer

Só quem te conhece por dentro pode te entender

(cabeça erguida, olhar sincero!)

Entendo esse mundo complexo

Favela é minha raiz

Sem rumo, sem tino, sem nexo e ainda feliz, muito feliz

Nem sempre a maldade humana está em quem porta um fuzil

Tem gente de terno e gravata matando o Brasil

Minha favela



Na favela a humildade fez sua morada

Na favela só quem é anda de madrugada

Na favela pra viver tem que ter proceder

Pra nos becos e vielas você não morrer

Tem que ser bola de meia ficar na moral

Pois guerreiro valente sempre passa mal

Não pode se envolver nem caguetar o vapor

Salve o povo das favelas os batalhador, moro?

Num clima quente, quente



É desse jeito irmão, tamô aí presente também

E é o seguinte mandando uma homenagem moro?

Um grande poema pra toda essa gente nossa

Nosso sangue, nosso dia a dia, nosso cotidiano nosso amor declarado



A nossa luta continua

Salve salve, satisfação

Tamô junto Exaltasamba daquele jeito

Salve salve todas favelas do Brasil

Com amor e saúde fé em Deus

Valeu edrock Racionais Mc´s

Valeu meu compadre Rappin Hood posse mente zulu

Tamô junto

A gente se cruza nas favela da vida

Firmeza total!!!



Discuta com os alunos sobre qual a visão de favela é passada nessa música e solicite que façam uma pesquisa sobre outras músicas que retratam o tema. Peça para que os alunos socializem os resultados que encontraram e discutam sobre as diferentes visões de favela presentes nessas músicas.

4ª momento:

Peça para que os alunos se dividam em grupos e façam um levantamento de outras histórias de superação como a que apareceu no curta, de moradores das favelas que utilizaram a arte ou outro recurso como forma de mudar de vida.

Cada grupo deverá escolher uma forma de apresentar a história pesquisada, pode ser por meio de criação de textos, músicas, documentários etc.

Reúna todas as produções dos alunos em um blog.



Pedagogo Autor do Plano de Aula
Jussara Caetano


Formação: Jornalista, pós-graduada em Gestão da Comunicação em Mí­dias Digitais.
Atividades Profissionais: Coordenadora de comunicação do Instituto Paramitas.
Publicações: Em 2013 teve a reportagem Meu corpo, meu filho, meu parto publicada no livro "A quem pertence o corpo da mulher?". De 2004 a 2007 participou do grupo de estudos literários Encontro das Ã?guas na Biblioteca Municipal de Osasco.
Nível: Ensino Superior