|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 2947 { professores: 0 | usuários com coleções públicas: 0 }

Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.

Brasil: país rico, povo pobre

Filme Utilizado A Casa | Animação | De Andrés Lieban | 2004 | 3 min | RJ



Data da Experiência:13/09/2010

Disciplina(s): Geografia , História

Nível de ensino da turma*: Ensino Fundamental I

Faixa etária da turma*: de 10 a 14 anos

Nº de alunos que assitiram esta sessão:24

Autor do relato:Wandréia Silva

Instituição:EB DR AMADEU DA LUZ
| SC | POMERODE
| Municipal
Objetivos do uso do filme
O Sistema econômico mundial vem num processo contínuo de construção e reprodução de disparidades sociais extremas entre ricos e pobres. O Brasil está entre os países com maior desigualdade social do Planeta. Onde os 10% mais ricos se apropriam de 50% da renda total do país e os 50% mais pobres detém apenas 10% da renda. Partindo desse pressuposto, enquanto professora, meu objetivo ao passar o filme - A CASA é possibilitar nos alunos uma inquietação, na expectativa de que leve a reflexão. De que, o problema da pobreza no Brasil, não é a falta de dinheiro como muitos alunos achavam, mas a má distribuição do mesmo. Considerando que somos a 12ª economia do mundo. E que, nós (alunos e sociedade em geral), também somos geradores desta riqueza. Mas não temos acesso a ela. Por que?

Sequência de atividades envolvendo o filme
Após assistir com os alunos o filme A CASA - fiz uma exposição oral em forma de seminário, do entendimento que eles tiveram do filme. Várias reflexões foram feitas. Mas a questão norteadora foi: "Por que uns tem tanto, outros tão pouco?" Partindo desse pressuposto, fomos para a fundamentação teórica. Em seguida, para aguçar ainda mais a curiosidade dos mesmos dei a cada um, o Poema de Vinícius de Morais-Operário em Construção; onde todos os alunos tiveram que fazer uma releitura: Qual a situação do Operário em construção? Por que havia tanta submissão? Quem tudo construía? Qual a relação do Operário e o Patrão? Quem se beneficiava do seu trabalho? Dando sequência, fizeram a representação do poema também através de História em quadrinhos, poemas e desenhos. Posteriormente, dei como desafio, que todos deveriam representar o que aprenderam, referente a desigualdade social no Brasil, em forma de história. Mais com cenário e personagens concretos! Ou seja, teriam que produzir um Curta na Escola! Não filmado, mais fotografado e com movimento! Proposta aceita, cada grupo criou seu cenário e sua história: uns com sucata e papel reciclado, outros com bonecas, fantoches e até de lego. Cada etapa da história era tirado centenas de fotos e dado movimento no computador na sala de informática. Por fim, os "Curtas na escola" ficaram prontos e surpreendentemente interessantes!

Comente os resultados da experiência
O Projeto serviu como um enorme quebra de paradigmas para a Turma, ao desmistificarem a ideia que tinham de que o Brasil era pobre. Pobreza essa, que antes servia para eles como fator de acomodação e alienação para justificar tamanha desigualdade social no Brasil. "Não podemos fazer nada, porque tem que ser assim mesmo, o Brasil é pobre!" Fica agora a expectativa enquanto professora, de que os alunos passem a questionar: qual o papel de cada um dentro da sociedade. Se vai haver mudança de postura enquanto cidadãos por parte de todos? Não sei! Mais toda grande mudança começa sempre com o primeiro passo!